25 dezembro 2005

Boas Vindas para Jesus - Pregação na Noite de Natal

Síntese do sermão pregado por Davi Lago, na noite de natal, no Templo Antigo da Igreja Batista Getsêmani, em Belo Horizonte.
Leitura: Mateus 1:18-2:12.
O Natal é o dia mais importante do ano. O Natal é a mais aguardada, mais festejada e badalada data do calendário. O nascimento de Cristo dividiu a História. Antes, a marca central era a fundação da cidade de Roma, que ocorreu em 753 a.C. Mas com Jesus tudo mudou. O Natal é portanto esta data especial, onde até mesmo os mais incrédulos param por alguns instantes para pensar em suas famílias, vidas e conduta.
O Natal é tão incrível que já parou uma Guerra Mundial. Em 1914 soldados alemães lutavam contra ingleses no interior da França. Quando chegou a manhã do Natal não se ouviu um tiro sequer. Quando os ingleses perceberam, os alemães estavam quietos porque era dia de Natal! Os soldados montaram um time de cada país e fizeram um jogo de futebol naquela tarde! Isso é simplesmente impressionante, somente o Natal foi capaz de dar uma trégua na I Guerra Mundial!
O Natal é o nascimento de Jesus. Natal é Emanuel, Deus conosco. Natal significa que Deus chegou mais perto de nós, significa que a luz veio brilhar nas trevas. Natal significa salvação!
O texto nos mostra dois grupos de pessoas no primeiro Natal: Primeiro aqueles que rejeitaram a Jesus, e em segundo, aqueles que aceitaram Jesus.
1. Como é possível rejeitar a Cristo? As pessoas rejeitam a Cristo por causa do orgulho. Herodes ficou desesperado quando soube que o rei dos judeus havia nascido. Ele não queria perder o seu trono, era orgulhoso demais.
Podemos perceber as características de quem não aceita Jesus, olhando para Herodes. Veja como Herodes era: mentiroso, interesseiro, ignorante em relação às coisas espirituais, disposto a fazer todas as coisas menos a receber Jesus.
Herodes e todas as pessoas que desprezam Cristo também são pessoas perturbadas. "Herodes ficou perturbado e com ele toda Jerusalém". Na universidade tenho professores desembargadores, juízes, gente rica e realizada. Gente que viaja o mundo todo e fala vários idiomas. Mas são pessoas perturbadas. Gente que tem tudo mas não tem nada. Ficam chorando suas mágoas para nós, os alunos. E o grande problema é que a pessoa perturbada não sofre sozinha: a família, os amigos e os próximos também sofrem. Veja que toda Jerusalém se perturbou.
2. Mas por outro lado, podemos aprender com os reis magos. Eles aceitaram a Cristo, receberam a Cristo, adoraram a Cristo. Podemos aprender com eles a receber e dar boas vindas a Jesus, podemos aprender a receber mais de Jesus.
Eles eram o oposto de Herodes. Eles eram humildes. Não se importavam em viajar até um estábulo para se prostrar diante de um menino, filho de uma jovem adolescente e de um simples carpinteiro. Precisamos ser pessoas melhores, mais piedosas, mais humildes, mais santas. Jesus disse "Aprendei de mim porque sou manso e humilde de coração".
Os reis também eram abnegados. Deixaram suas coisas para trás e vieram até Cristo. Para receber Jesus é preciso deixar as trevas, deixar o pecado. Não se pode servir a dois senhores. É preciso IR até Cristo. Ele disse que poderia aliviar os sofrimentos de todos os cansados, abatidos, doentes, aflitos, etc, mas para isso seria preciso IR até ele. "VENHAM A MIM" disse Jesus. Se estamos dispostos a encontrar Jesus, precisamos estar dispostos a abandonar o que não presta.
Nesta época é muito comum ouvirmos vários cantores na televisão cantando "Jesus Cristo, Jesus Cristo eu estou aqui!". Mas isso nada adianta porque este povo não está disposto a abandonar a imoralidade, o orgulho, a mentira, a infidelidade, os prazeres depravados do mundo. Precisamos ser abnegados se queremos Jesus.
Os reis magos também foram submissos a estrela e foram perseverantes quando ela parou de brilhar. Eles não voltaram para trás, não desanimaram, mas foram se informar "onde está o recém-nascido rei dos judeus?".
Por fim, eles foram adoradores. Perceba que embora tudo seja especial no Natal, as pessoas continuam as mesmas. Amanhã continuam as separações, divórcios, roubos e todas podridões do mundo. Somente se recebermos a Jesus Cristo, se o adorarmos, este Natal terá sentido. Só se recebermos a Cristo nós mudaremos.
Natal é dia de adoração. É dia de entregarmos nossas vidas de presente a Cristo. É dia de agradecimento e louvor a Deus.
Seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, O Alfa e o Ômega, O Princípio e o Fim, O Ungido, Mestre, Rei dos reis, Senhor dos senhores, Leão da Tribo de Judá, Jesus Cristo, Emanuel!

____

LEIA AINDA:

  • A historicidade de Jesus Cristo


  • Evidências da ressurreição de Jesus Cristo


  • A credibilidade dos evangelhos


  • A profecia de Stalin


  • Jesus é o evangelho


  • Jesus, o Grande - por John Stott



  • 5 Comments:

    Blogger Eliot D. Chambers said...

    Olá Davi.

    Parabéns pela iniciativa.
    Gostei muito da série "O Pensamento Vivo de". Não deixe de dar continuidade.

    É isso ai, não se cale.
    Abraço do Eliot.

    8:48 PM  
    Blogger Davi Lago said...

    Obrigado Eliot!

    Muito obrigado pelo incentivo e apoio!

    Abração!

    1:28 AM  
    Blogger Luis F. Batista said...

    Obrigado pelo link! Benvindo à blogosfera!

    10:39 AM  
    Anonymous Anônimo said...

    Davi, eu fiquei feliz pela reflexão feita sobre o Natal, porém, eu fiquei curioso em saber qual a fonte que fala que a mãe de Jesus era uma jovem adolescente?
    Aguardo resposta...
    No amor de Cristo...

    11:31 AM  
    Blogger Davi Lago said...

    Depois das histórias do nascimento de Jesus e de sua visita a Jerusalém aos doze anos de idade, bem pouco se diz a respeito de Maria. A última menção de Maria acha-se em Atos 1.14, quando estava orando com os discípulos. Mas como disse o célebre comentarista bíblico Henry Hampton Halley: “Podemos, entretanto, imaginar Maria como uma mulher quieta, contemplativa, dedicada e prudente que partilhou das preocupações e cuidados que as mães têm em comum” (HALLEY, H.H. Manual Bíblico. São Paulo: Editora Vida, 2001, p. 462). Assim como fez Halley, tomei liberdade para “imaginar Maria” no natal como uma "jovem adolescente".
    Depois darei uma olhada na minha biblioteca para ler algo sobre a faixa etária com que as moças judias se casavam. Aí todos nós poderemos saber algo mais sólido sobre a verdadeira idade de Maria.
    Muito obrigado por comentar, continue visitando o blog!
    Abração,
    No amor de Cristo,
    Davi.

    8:00 PM  

    Postar um comentário

    << Home