31 outubro 2007

O delírio de Dawkins

Por Davi Lago
O cristianismo tem sido duramente atacado por homens como o cientista Richard Dawkins, que é hoje o maior porta-voz do ateísmo do mundo, conhecido também como o “rottweiler de Darwin”.
Dawkins é evolucionista, zoólogo, etólogo, professor na Universidade de Oxford. É autor de vários livros que combatem a religião. Sua última obra é o best-seller “Deus, um delírio”. Ele prega o ateísmo contundentemente. Recentemente iniciou uma batalha pela defesa do ateísmo nas escolas britânicas.
Mas se existe um Richard Dawkins para pregar o ateísmo, há vários intelectuais cristãos de peso e renome internacional na atualidade que pregam o evangelho energicamente. Temos na nossa artilharia R.C. Sproul, Ravi Zacharias, Norman Geisler, William Lane Craig, Nancy Pearcy, Os Guiness.
Outro fuzileiro do céu é o ex-ateu Alister McGrath, professor de teologia histórica da Universidade de Oxford. Ele possui doutorados em biofísica molecular e em teologia pela Oxford. Seu último livro chama-se “O delírio de Dawkins”, onde ele refuta as divagações tolas de Dawkins.
Neste livro Alister revela sua perplexidade pela guinada irracional de seu colega de Oxford, não tanto pelo ateísmo em si, mas pela absoluta inconsistência de seus argumentos, aliados à intolerância desmedida.
Francis Collins, diretor do Projeto Genoma, comenta sobre o livro: “Alister desmantela o argumento de que a ciência deve levar ao ateísmo. McGrath demonstra como Richard Dawkins abandonou sua usual racionalidade para abraçar o amargo e dogmático manifesto do ateísmo fundamentalista”. O próprio Collins também escreveu o livro “A linguagem de Deus”, onde apresenta evidências da existência de Deus.

6 Comments:

Anonymous Joel said...

Prezado,
Excelente post!
Fico extremamente feliz em saber que existem cristãos dedicados, com formação acadêmica, sobretudo fervorosos na defesa do cristianismo, não importando quem são aqueles que insistem em negar a existência do Criador. Que Deus nos habilite para continuarmos nesta defesa!
Abraços.

3:04 PM  
Anonymous Carol said...

Hj eu vi esse livro do Dawkins na livraria... Comentei com meu pai e lembrei q tinha lido sobre isso em algum lugar! rss foi aki! Esses incrédulos delirantes! Sem Jesus a febre passa dos 40º... estão pertinho do inferno...quente... rss
Bjoo Luke!

12:01 AM  
Anonymous Mônica said...

A Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II, afirma: “Se a pesquisa metódica, em todas as ciências, proceder de maneira verdadeiramente científica e segundo as leis morais, nunca será oposta à fé. Tanto as realidades profanas quanto as da fé originam-se do mesmo Deus. Mais ainda: aquele que tenta perscrutar com humildade e perseverança os segredos das coisas, ainda que disto não tome consciência, é como que conduzido pela mão de Deus, que sustenta todas as coisas, fazendo que elas sejam o que são”. Belo comentário do Vaticano. A ciência não tem condições em si mesma de negar a existência de Deus,nos parece justamente o contrário. O ateísmo não é resultado de uma mente científica ou racional que, a partir da EVIDÊNCIA e da LÓGICA concluíram que Deus não existe, mas sim de um coração compromissado com a própria suposta independência e autonomia, além de revoltado com a religião. O que não percebe é que está muito mais perto dela do que imagina, como Collins bem colocou: "amargo e dogmático ateísmo fundamentalista". Só para lembrar aos amantes da ciência: foi a cosmovisão cristã a responsável pelo fomento da ciência moderna (SCHAEFFER, WHITEHEAD). Quanto à TEORIA da evolução, à qual Dawkins tanto se agarra para sustentar seu ateísmo, o surgimento dessa nova "ciência" não veio de uma descoberta científica (o que seria coerente com a ciência moderna, baseada na experimentação), mas de uma nova cosmovisão baseada em pressuposto naturalistas e materialistas, e que carece de todas as evidências empíricas.
Abraços Davi.

11:33 AM  
Anonymous sol said...

Oi Davi, tudo jóia?
Eu estava lendo algumas coisas sobre o evolucionismo, do ponto de vista teísta e ateísta e notei que esse assunto, além de extenso, gera alguns argumentos agressivos também.
O escritor H.P. Lovecraft, diz que o conhecimento humano ao avançar sobre certas áreas do universo, conduzirá inevitavelmente a loucura e ao desespero.
Nesses casos todos os argumentos bíblicos são duramente debatidos, visto que, para essas pessoas, ceticismo pragmático faz bem mais sentido do que a Bíblia (sobrenaturalismo).
Qual postura nós cristãos devemos assumir diante desses debates?
Até onde devemos ir sem que as nossas tentativas tornem-se tolices?

1:31 PM  
Blogger Davi Lago said...

Oi Sol!
Sua pergunta é muito interessante e profunda.. Preciso pensar e pesquisar para te dar uma boa resposta. Vou escreve um post sobre o assunto. Mas por hora quero dizer:
1. Devemos estar preparados para expor e defender nossa cosmovisão (1Pd 3.15).
2. Devemos confrontar as pessoas e convidá-las a uma decisão por Cristo.
3. Devemos confiar que o Senhor irá abrir os olhos delas, pois estão cegas espiritualmente.
Creio que nossa reponsabilidade é essa: apresentar o evangelho e confiar em Deus, que abre o entendimento das pessoas. É lógico que sempre haverá oposição, por isso devemos agir e falar sempre com amor.
Abração

2:15 PM  
Anonymous Profético - Estudos Bíblicos said...

Considerado o ícone do ateísmo contemporâneo, Richard Dawkins, autor de Deus,um delírio, tem suas idéias postas à prova pela análise minuciosa e perspicaz de Alister McGrath e sua esposa Joanna McGrath , em O delírio de Dawkins.

Alister, outrora ateu, doutorou-se em biofísica molecular antes de tornar-se teólogo. Admirador da obra de Dawkins, Alister revela sua perplexidade pela guinada irracional de seu colega de Oxford, não tanto pelo ateísmo em si, mas pela absoluta inconsistência de seus argumentos, aliados à intolerância desmedida.

recomendo...

11:44 AM  

Postar um comentário

<< Home